http://folhanewsletter.blogspot.com.br

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O trânsito no Brasil é poluente, custoso e prejudica as pessoas

Transporte no Brasil atualmente se configura como um dos maiores obstáculos ao desenvolvimento e ao bem estar das pessoas. Muitos e muitos momentos da vida das pessoas são desperdiçados em um trânsito caótico, poluente e demasiadamente estressante para os seus usuários. Seja em veículo próprio, em ônibus ou em outro meio de transporte as pessoas sofrem com a dificuldade na locomoção nas ruas e avenidas de nossas cidades.
Temos a sensação de que a qualquer momento a nossa cidade pode parar em razão da impossibilidade de se locomover, principalmente se a pessoa mora em uma cidade grande ou média em qualquer uma das regiões brasileira. As dificuldades no trânsito não são privilégios apenas das metrópoles, mas de muitas outras cidades com características diversas dos grandes centros.

Na última década e meia, o número de transporte individual que circula pelas ruas do Brasil aumentou significativamente. Segundo o IPEA (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas), de 1995 a 2010, a frota de automóveis aumentou 7% ao ano, em média, as motocicletas aumentaram 15% ao ano, enquanto que o transporte coletivo perdeu 30% nesse período. Ou seja, as pessoas deixaram de ir ao trabalho, estudar, passear, etc. de ônibus, trens ou metrô e passaram a usar o carro próprio para se locomover pela cidade. Certamente, as pessoas acham mais cômodo e mais confortável utilizar o veículo próprio do que utilizar o transporte público, mesmo que para isso tenham que incorrer em um custo muito maior.

A tendência é que as ruas continuem cheias de carros e até mais congestionamentos porque os dois fatores que levam a essa situação continuam em pleno vigor: incentivo à produção e ao uso de veículos automotores e a fraqueza nos investimentos em transporte público conjugado com a falta de incentivo ao uso desse tipo de transporte. De acordo com a Pesquisa Nacional de Amostragem Familiar (PNAD) de 2009, realizada pelo IBGE, somente 50% dos domicílios brasileiros possuem carro ou moto. Como o brasileiro gosta muito de carro e com os fatores mencionados acima, podemos ter um crescimento ainda maior de posse e uso de veículos pelas pessoas no cotidiano.

Parece ser uma questão cultural e de estrutura viária. Cultural porque gostam mais de utilizar veículo próprio e a falta de estrutura viária é constatada pela incapacidade das vias não terem possibilidade de absorver os veículos que por elas trafegam. Isso pode ser verificado ao observarmos que a proporção de veículo por pessoa no Brasil é muito menor do que em vários outros países. De acordo com um levantamento realizado pela Anfavea (Associação Nacional de Veículos Automotores) realizado em 2009, no Brasil existem 15 veículos automotores para cada 100 habitantes. Enquanto que nos Estados Unidos essa proporção é de 83 veículos para cada 100 habitantes, na Itália e na Austrália é de 67 para cada 100 habitantes, na França, Japão e Espanha é de 59 por 100 habitantes e no Reino Unido, na Alemanha, Áustria e Suécia é de 56 por cada 100 habitantes.

Outro grande problema que afeta às pessoas causado pelo uso sistemático de veículos automotores é a poluição. De acordo com pesquisas recentes, as emissões de gás carbônico aumentaram nos últimos 30 anos quase 3,6% ao ano. Uma parte significativa desse aumento foi, e está sendo, causado pelos veículos automotores. Na verdade, é preciso que a atual situação seja alterada. Não é razoável convivermos com tanta poluição, transporte público de péssima qualidade e eficiência baixíssima, sistema viário precário e tantas perdas de recursos e bem estar causados pelo tempo parado no trânsito ou em deslocamento em baixíssima velocidade. O mínimo que as autoridades devem fazer é verificar o que fazem nessa área os outros países que possuem uma frota de veículo muito maior do que a nossa e não possuem o caos em suas vias.

0 comentários :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...