http://folhanewsletter.blogspot.com.br

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Escassez de Água: pequenos gestos fazem a diferênça

O futuro do mundo pode estar comprometido pela falta de água

Você sabia que dois terços do planeta Terra são formados apenas por água? Parece ser um recurso inesgotável e mais que suficiente para suprir as necessidades da população. Entretanto, essa é uma falsa impressão. Visto que a água doce representa menos do que 10% de toda a existente. “A água é um recurso limitado e cada vez mais escasso, agravado pela poluição dos rios e dos lagos, do seu desperdício, do aumento da sua demanda e da urbanização descontrolada”, afirma a bióloga especialista em Meio Ambiente, Marilane Rocha Martinez, de São Paulo, ao classificar como grave a situação atual de escassez, devido ás diversas degradações, tais como a destruição das matas ciliares, vegetação que cresce nas margens de rios e mananciais, e oferece proteção para as águas e o solo, ao impedir que os poluentes danifiquem o meio aquático.


LUTA CONTRA A ESCASSEZ
Um provérbio popular diz que só percebemos o valor da água, depois que a fonte seca. Pensando em chamar a atenção da população para o grave problema da escassez, além de buscar soluções para essa questão, a ONU (Organização das Nações Unidas) instituiu o dia 22 de março como o dia Mundial da Água.

A entidade foi a responsável pela elaboração de um documento intitulado “Declaração Universal dos Direitos da Água”, que trata da importância desse recurso para todas as nações, e da grande responsabilidade que cada indivíduo possui em protegê-lo contra o desperdício e a poluição.

Medidas como essas são essenciais, visto que, de acordo com o professor de Ecologia da USP (Universidade de São Paulo), Sérgio Meirelles, também da capital paulista, a água causará sérios problemas no planeta. “Em 100 anos teremos conflitos importantes, nos quais o acesso à água será um dos fatores relevantes”, atesta.

A maior parcela da água dos continentes está concentrada nas calotas polares, glaciais e no subsolo e, em menor quantidade, nos lagos e pântanos, nos rios, na zona superficial do solo e da biosfera. O continente que possui a menor parcela de água doce é a Antártida. O que mais sofre com a escassez de recursos hídricos é a Ásia, com maior destaque no Oriente Médio. “A África, sem dúvida, apresenta casos dramáticos de limitação do acesso à água não salgada em muitas regiões”, complementa o professor.

E NO BRASIL?
O local que detém o maior volume é a América do Sul, sendo o Brasil a região mais privilegiada, pois dispõe de 12% de toda a água doce do mundo e está em primeiro lugar no ranking de disponibilidade hídrica em rios do planeta.

Porém, Marilane, que também é perita ambiental, ressalta que os efeitos da escassez de água atingem também o território brasileiro, pois o uso inadequado compromete esse recurso em várias regiões do País. “Apesar de não ter o merecido destaque, as populações das regiões áridas do Nordeste e a Região Metropolitana da São Paulo, por exemplo, já viveram o caos do racionamento de água na forma de rodízio”, lembra. “Embora o problema não tenha se repetido, não se significa que foi solucionado. Pelo contrário, com o passar dos anos, a situação fica cada vez mais grave.”

POLUIÇÃO
Dentre as regiões que mais poluem os rios, as metrópoles ganham destaque devido à demanda e à urbanização irregular. A especialista em Meio Ambiente usa a região Metropolitana de São Paulo como exemplo e a descreve como uma cidade banhada por rios e que não possui uma rede de esgoto adequada e suficiente para suprir as necessidades da população. “Somado a isso, a crescente impermeabilização do solo e os resíduos industriais, que são despejados nos rios e nos córregos da região, acabam prejudicando ainda mais o bom uso da água”, diz.

No momento, o saneamento básico traria um ganho importante, de acordo com Meirelles, no sentido de se ter acesso a fontes de água doce aproveitáveis. “Sistemas de armazenamento e regulação do uso de depósitos naturais são essenciais e deveríamos, também, exigir o tratamento rigoroso dos afluentes industriais e da agricultura”, acrescenta.

USO CONSCIENTE
O fato é que a água existe em abundância, entretanto, requer o uso consciente e sustentável para que seja capaz de abastecer as residências e manter as indústrias e a agricultura. No que diz respeito à distribuição, é notório que existe desigualdade e requer, urgentemente, um novo hábito cultural da sociedade. “Ao poder público, cabe investir em educação ambiental, visando o consumo consciente. Limpeza dos rios e dos córregos e captação de chuva são atitudes capazes de evitar a escassez deste recurso”, frisa Marilane.

Ela sustenta a ideia de que a água deveria ser mais cara para a indústria, com o objetivo de incentivar a mudança de hábito no Brasil. “As indústrias deveriam desenvolver sistemas de aproveitamento da água da chuva para usos gerais. O setor público, por sua vez, poderia promover benfeitoria em descontos de impostos às empresas que desenvolverem políticas de consumo consciente”, defende a perita ambiental. “No entanto, para que se tenta resultado quanto ao uso sustentável, à alternativa ainda é afetar o bolso do cidadão”, conclui.


PEQUENOS GESTOS, GRANDE CONTRIBUIÇÃO

Recomendações para poupar água no dia a dia:

1) Durante o banho, mantenha o chuveiro aberto apenas durante o momento do enxágue.
2) Escove os dentes com a torneira fechada, abrindo-a apenas no momento do bochecho.
3) Fique atento aos vazamentos dos encanamentos que podem, além de desperdiçar muita água, comprometer a estrutura do prédio.
4) Verifique e faça constantemente manutenção da válvula de descarga.
5) Mantenha a caixa d’água sempre tampada e evite que a mesma transborde.
6) Evite desperdícios ao lavar louças, procurando ensaboá-las com a torneira fechada, enxaguando-as apenas uma vez.
7) Ao lavar a roupa, reutilize a água para lavar o quintal e o carro.
8) Aproveite a água da chuva para regar as plantas e utilize sempre um regador, ao invés de uma mangueira.
9) Ao lavar o carro, utilize de preferencia, um balde para ensaboar e enxaguar. Lavadoras que tenham jato de água também são boas alternativas.
10) Utilize a vassoura na limpeza d quintal e da calçada, ao invés da mangueira. Lavadoras à pressão são boas opções.


Texto: Ana Carolina Caires

Contatos:

Marilane Rocha Martinez
Bióloga especialista em Meio Ambiente São Paulo/SP
Marilane_biologia@hotmail.com

Sérgio Meirelles
Professor de Ecologia da USP São Paulo/SP
(11) 3091-7561

Fonte: Revista Polishop - Novas Ideias Facilitam Sua Vida | www.polishop.com.br

0 comentários :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...